Arquivo da tag: Oracle

Qual sistema de manufatura utilizar? Discreta ou Processo?

Quando um cliente industrial inicia o processo de implementação de um ERP um dos erros mais comuns  é escolher o software errado para implementar. Isto porquê existem grandes diferenças no core business da manufatura negócio entre uma manufatura discreta e uma manufatura de processos.

Como consultor de Manufatura Oracle EBS, esta é uma decisão crucial a ser tomada e deve ser bem acertada. Vejo muitas empresas escolherem a suíte de módulos incorreta para atender suas necessidades e acabam por levar por boa parte da vida problemas e “soluções técnicas” para atendê-las.

Pois bem, vamos enumerar as principais diferenças entre uma manufatura e outra e depois

Processo Vs Discreta

Manufatura discreta lida geralmente com montagens, produz coisas exatas. Como máquinas, automóveis, eletrodomésticos. Por exemplo, quando se fabrica canetas, você produz 1000 canetas, 500 canetas e não 95,5 canetas. Se for necessário desmontar a caneta e utilizar sua tampa para outra caneta será possível com um certo esforço ou simplesmente voltar as partes para o estoque.

Típica indústria químicaA manufatura de processos lida com materiais commodities, produtos farmacêuticos, alimentícios, petroquímicos e coisas deste tipo. É normal mensurar a produção por meio de grandezas de kilos, litros, metros cúbicos,  e a conversão entre uma unidade de medida para outra é algo obrigatório. A remanufatura, ou “desmontagem” do produto acabado é, na maioria das vezes, impossível de ser realizada. Uma outra característica comum da manufatura de processos é que as produções são realizadas através de misturas e transformações e o resultado nem sempre é o esperado.

Na manufatura discreta, você não consegue produzir meio produto, se você vai produzir um carro, tem que consumir todos os componentes para produzi-lo, ao passo que na manufatura de processos, se estiver faltando metade dos ingredientes, você consegue produzir metade do produto.

Indústria automobilística, exemplo de discreta

Na manufatura discreta temos listas de materiais (BOM) para estruturar os produtos e seus componentes, dizendo a quantidade e a operação em que cada componente é aplica. Já em Processos temos uma Fórmula, onde ingredientes são especificados em suas quantidades e como se comportam em casos de escalabilidade.

Em ambos os casos temos os Roteiros de produção, mas o que muda é o processo que cada um desenvolve, enquanto na Discreta estamos lidando quase que totalmente com montagens (cortar, virar, dobrar, montar) e em Processos são as transformações que lidamos (separar, misturar, diluir, moer, envasar).

Temas como planejamento e custos também merecem atenção pois os sistemas devem estar aptos a entenderem as características e necessidades de cada tipo de negócio e manufatura.

Como o Oracle EBS trata?

No mundo Oracle EBS existem 2 suítes específicas para cada uma das manufaturas. As duas endereçam todos os processos perfeitamente.

Na tabela abaixo temos os principais processos e seus correspondentes módulos em cada uma das suítes (baseada na versão do EBS R12.1.3).

Processo de Negócio Manufatura Discreta Manufatura Processos
Planejamento MRP – Material Requirement Planning ou ASCP – Advanced Supply Chain Planning ASCP – Advanced Supply Chain Planning
Engenharia / Desenvolvimento de Produto ENG – Engineering / BOM – Bills of Material OPM Product Development
Produção WIP – Work in Process OPM Process Execution
Qualidade QA – Quality OPM Quality Manager
Custos CST – Cost Manager (no Brasil conhecido por PAC) OPM Financials e SLA (Subledger Accounting)

Em cada um dos processos de negócio há relativas diferenças na maneira de tratar os diferentes requisitos, vantagens e desvantagens. Cabe ao consultor sempre orientar o cliente para a melhor aplicação dos módulos, e claro, um possível engano na escolha da suíte.

Por enquanto é isso, para os próximos posts pretendo detalhar alguns processos. Até lá!

O que faz um consultor de Manufatura?

Olá companheiros pelo mundo!

Neste post vou tentar da uma primeira explanada sobre o trabalho de consultoria, como que acontecem as coisas e alguns pontos que eu sempre observo ao iniciar um novo trabalho.

Afinal, o que um consultor faz?

No meu caso, sou um consultor de Manufatura especializado em implementações dos módulos de manufatura Discreta e de Processos do sistema Oracle EBS (ufa!!!), então basicamente o que eu faço é atender a clientes, geralmente grandes indústrias que estão em processo de implementação do ERP da Oracle ou que já implementaram e precisam de melhorias.

Então, neste cenário, eu tenho o trabalho de analisar os processos do cliente, desenhar (muitas vezes no papel mesmo) processos novos ou melhorias dos processos já existentes. Após esta fase vem a parte mais complicada que é “casar” os processos antes desenhados com as funcionalidades do sistema.

Em artigos futuros irei aprofundar mais neste assunto, mas basicamente o que um consultor (no meu caso) faz é isso.

O que devemos saber antes de implementar?

Antes de começar a meter a mão na massa, passo por uma fase de imersão sobre o cliente. Nesta hora o amigo Google é a melhor ferramenta possível.

Por exemplo: se irei começar um trabalho daqui algumas semanas em uma indústria de óleo e gás, a primeira coisa que faço é acessar seu site, conhecer sua história, sua cultura, seus clientes e campo de atuação. Depois passo para uma pesquisa mais aprofundada para entender como se o processo produtivo. Como são suas etapas, dependências. Este passo é muito importante porque além de adiantar muito o trabalho no início, já pode trazer diversas perguntas e especulações sobre como e o quê deverá ser realizado durante um projeto.

Mas uma pergunta é uma das principais e a primeira a ser respondida:

Manufatura Discreta ou Processos?

Academicamente não existe, de fato, tipos de manufatura. Do ponto de vista da Engenharia, processos produtivos são compostos das entradas, recursos utilizados e as suas saídas, ou seja, seus produtos. Mas do ponto de vista técnico e computacional há uma grande diferença na maneira de implementar e desenhar processos produtivos. E estes métodos são caracterizados Manufatura Discreta e Manufatura de Processos.

Resumidamente Manufatura Discreta são os processos produtivos de montagem, onde o produto acabado resultante sempre é de acordo com o esperado. Inclusive há a possibilidade da desmontagem, retornando seus componentes para o estoque para futuras utilizações. Indústrias automobilísticas, linha branca, eletrodomésticos são os melhores exemplos deste tipo de manufatura.

Já a Manufatura de Processos diz respeito à indústrias de transformação, onde o processo basicamente se dá por transformações físico-químicas, misturas e nem sempre o processo produtivo ocorre da maneira como planejado, ou seja, podem ser utilizados mais componentes para fazer o mesmo produto, de diversas formas. Ou o produto resultante são é examente o esperado, ou inclusive ter mais de um produto resultante de um mesmo processo. Exemplos bons deste tipo são as indústrias alimentícias, farmacêuticas, petroquímicas e tintas.

Futuramente pretendo abordar e aprofundar mais nestes temas para abrirmos discussões sobre cada um deles.

Sempre buscarei trazer pontos técnicos e conceituais sobre cada tema, para aliar a prática com o conhecimento.

Até a próxima!